mardi 8 décembre 2015

Violence


Violência é viver
contrapôr a ordem,
ser orgânico
Na coerção maquínica
corpos não se reconhecem
a dor é seiva viva
Do que nos alimenta
falta o entralaçar dos olhares
mas, cruamente, falta o próprio alimento
Privilégio não é levantar a voz
é continuar vivo -
que milagre!
No tanger das peles
não se sente mais nada;
gozo mecânico, alegria calculada
Preenchendo de vazio,
curando a doença com o frio,
voltando a pé pra casa - se houver casa
Privilégio é não morrer de fome
é sobreviver
violência parece pré requisito pra viver