mercredi 25 avril 2012

La Danse




falta ar
falta o ar dos outros anos
os movimentos corporais
a sensação de sonho falso
esses mil versos
em má harmonia
criada naquela euforia deslumbrante
cega
miúda
mas não muda
pois falava-se tudo
o tempo todo
as palavras caíam, tortas
desengonçadas, puras
e já não cai mais nada
já não ouve-se mais melodia
vazia
o que se escuta são a músicas
de outros
que se estendem pelos corpos
de leveza e dor e chão
e nada mais causa esse abismo
essa falta inconcebível
toda loucura, fraca e
graciosa
ouve-se agora só os gemidos
do amor
os movimentos da alegria
os passos da pressa gratificante
a música da plenitute