jeudi 23 juin 2011

Erreurs



Sabe, eu sempre fui muito mãezona e moralista. Sempre fui muito apegada aos meus princípios. Aí, subitamente, vem você e eu penso "ah, só mais um pra eu ter que tomar conta" e, realmente, eu tomei uma ou duas vezes. Mas toda aquela moral simplesmente sumiu e quando eu vi eu estava com metade da minha idade e enroscada nos seus braços e fazendo um monte de besteiras e dizendo um monte de besteira e sendo uma grande besteira. E, ah, como eu pude amar no meio de tantos erros e tanta tolerância da sua parte. E como eu me sinto inteira e envolvida nessa euforia apaixonante e como tudo isso me realiza de forma completamente nova e deliciosa!
E escorre dos meus poros todo esse amor, meio negado ainda, por você. Eu só quero você muito porque descobri que o amor, o amor de verdade, faz você ter oito anos de novo e ficar tão deslumbrado que só o que é possível é fazer besteira o tempo todo na tentativa desesperada de entender como cabe tanto sentimento dentro de você.

jeudi 2 juin 2011

Arbre sec



Às vezes me dá tanto aperto no coração. Ver as coisas passarem, ver as pessoas passarem. Sentir que tudo e todos vão deixando devagarinho meu coração pra depois de um bom tempo voltar com uma apunhalada de surpresa. Daquelas que nem quem está com a faca nem quem foi ferido tinha a intenção de machucar ou sair machucado, e sim num pulo de excitação e ansiedade de maltratar de tanto amor.
Eu tenho tanto amor enroscado nas minhas entranhas, eu tenho tanto pra dar e eu só dou ódio e indiferença e as pessoas acham que eu sou imune a tudo mas na verdade é a falta de vocês. É a falta de vocês todos juntos naquela esquina sujando suas calças na calçada e fumando aqueles cigarros que cada um dava um pouquinho pra comprar. São vocês a minha falta e o meu amor me apunhala sempre que eu vejo fotos ou lembro dos momentos ou escuto as vozinhas de vocês falando em tons diferentes no mesmo momento. Eu não fui quase nada parte disso mas é tudo tão parte de mim. É tudo tão bonito e tão doente e tão ruim e tão amargo mas eu preciso dessa dor no meu peito e eu preciso viver assim porque eu sei que vocês não vão voltar pra mim, eu sei que eu os vejo fragmentados e em parte o meu amor ainda é o mesmo mas ele perde a intensidade. Eu preciso de todos vocês assim juntinhos debaixo de uma árvore seca com muita fumaça e muita saliva e vontade e preguiça e calor e tudo aquilo que eu só tive por tão pouco tempo mas que fez toda a diferença do mundo dentro de mim e agora eu sou só eu, sozinha. Eu sou só eu com esse pedacinho de mim que vocês criaram mas sozinha.