mercredi 17 février 2010

Acceptation

Às vezes é tão difícil lidar com o próprio corpo. Buscamos tanto uma aceitação, um elogio, um sorriso que chega a ser um tipo de escravidão. Achei essa lindeza esses dias no flickr e ela é simplesmente tão linda, tão sensual e tão normal que chega a ser assustador! Depois disso fiquei pensando sobre aceitação de si mesmo. Naquele vídeo do protetor solar o narrador fala que a o nosso instrumento mais importante é o próprio corpo, e é verdade. Óbvio que não vai ser de uma hora pra outra que nós meninas vamos nos livrar de nossos complexos, mas entender que somos normais e saudáveis e andar com gente que admire isso e te ponha pra cima é essencial.
Vocês são todas lindas, acreditem.

samedi 13 février 2010

Petit


Engraçado como felicidade pode vir em coisas tão pequenas. Um pequeno “vai toma no cu” do Miguel ou um sorriso do Sugaya, um “nhô” da Marcela ou uma carona da Milk.
Ai, que delícia! Estou me sentindo maravilhosamente bem hoje!

mardi 9 février 2010

Femme

lundi 1 février 2010

Espérer


Era mais que só um gostar. Ela era, sim, uma mulher incrível, mas como dizê-la que estava apaixonada? Apaixonada não só por Maria, mas também por Abelardo! Não era melhor simplesmente esquecer e fingir que ela fora a única paixão verdadeira de toda a sua vida? Não, isso era errado.
- Olha, eu te amo. – começou – Não chora, tá. Eu realmente te amo.
- Mas – e agora Maria olhava-a com olhos de preocupação, esperando o pior – eu não amo só você. Eu amo outra pessoa também.
- Como assim?
- O nome dele é Abelardo. Eu o conheci numa livraria aqui perto. Eu estou apaixonada.
- E como você consegue amar duas pessoas ao mesmo tempo? – choramingou.
“Como eu consigo amar duas pessoas ao mesmo tempo?”. Era uma boa pergunta. Nós somos ensinados que só podemos amar uma pessoa de cada vez. E, realmente, a vida toda ela só havia amado pessoas uma por vez. Mas, pensando nesse instante, se todas as pessoas que ela já havia amado estivessem em sua frente no exato momento que Maria lhe fez essa pergunta, ela também estaria amando todas ao mesmo tempo. Amor não se apaga, ele só fica guardado, meio jogado num canto do quarto, quieto, esperando pra que você se lembre dele e o pegue de vez em quando. Isso é amor. Ela era completamente fiel a seus amores. Fiel de alma, não de carne. Carne é carne e isso não significava nada para ela. Mas como explicar a Maria isso?