jeudi 14 août 2008

Leveza



Está um dia lindo hoje. Não só por causa do sol inalcançável brilhando ferozmente no céu azul bebê daqui, mas porque me sinto leve.
Graciliano Ramos fez uma marca em mim, um buraco sutil no meu coração, mas em compensação muita paixão por seu trabalho. Agosto passa correndo, setembro nem se percebe. Outubro vem aí.
Ando com umas idéias malucas na cabeça, sonhando demais. Me sinto como Unity Kinkaid, do primeiro volume de Sandman.
Quanto aos meu vícios? Fortes, como sempre. Mas eles me deixam feliz. Na verdade. Não sei, seria isso uma forma de felicidade? Fazer algo que gosto (ou que penso gostar). De repente sempre estive feliz e.. não me toquei.
Estou com vontade de abraçar minha irmã, mas vai que ela me dá uma unhada. Melhor deixar pra lá.

lundi 11 août 2008

Dependências



À voz de Louis Garrel tudo me faz bem.

Não que esteja mal, não é bem isso. É como se tudo sumisse da mente, quando dá aquele vazio pertubador. Aquela vontade de pensar desesperadamente em alguém ou em algo e você simplesmente bloqueia. Como se tudo estivesse perfeito. Odeio sentir que tudo está perfeito, porque, afinal, nada é perfeito. Faz sentido?

Estou sentindo que pulei uma etapa da minha vida. Me sinto bem, até, mas vazia. Me sinto orgulhosa de mim mesma, mas decepcionada com os outros. Acho que estou me criando dependente. Dependente de algo que jamais pensei que iria ser, para falar a verdade (e, não, não é chocolate). É como se isso estivesse tomando conta de mim e, não sei, tem sido difícil viver sem. Tem sido bem difícil.

Tenho lido, lido bastante. Estou devorando cada página de "Vidas Secas" e cada vez mais me sinto louca para mandá-lo pro meu amor. Oh, lembrei-me de outra dependência maldita. Mas tudo bem, porque certas dependências são... ruins. Dependências sempre são ruins. Ia falar besteira.

Preciso estudar, preciso ler, preciso ouvir a voz de Louis Garrel.

"And here we... go!"



"And here we... go!"; Coringa - Batman, The Dark Knight